Voltar ao início do site !Chamar por telefone !Enviar um e-mail !Acessar o FaceBook da Méritos !Acessar o Blog da Méritos !Acessar o Twitter da Méritos !

A fronteira (Volume 3): 1763-1778 - História da brava gente e miseráveis tropas de mar e terra que conquistaram o Brasil meridional

Autor: Tau Golin
Págs.: 832
Edição: 1ª
Formato: 16x23 cm
Idioma: Português
Lançamento: 2015
ISBN: 9788582000236

r$ 83,90

 

 

 


 

 

Texto de aba

Neste terceiro volume da impressionante série ''A Fronteira'', o historiador Tau Golin aborda o processo de disputa territorial entre as coroas ibéricas na América meridional. Revela conflitos bélicos desencadeados pela Guerra dos Sete Anos, antagonizados pela aliança entre os reinos de França e Espanha, de um lado, contra os reinos de Inglaterra e Portugal, de outro.

Implicações extraordinárias regionais prolongaram 13 anos a beligerância americana na bacia do Prata e no sul do Brasil.

A vitória luso-brasileira de 1776 no Continente do Rio Grande de São Pedro resultou nas ocupações da Ilha de Santa Catarina e da Colônia do Sacramento por uma poderosa esquadra espanhola, auxiliada por tropas de terra, em 1777. A guerra foi sustada com um armistício que originou o Tratado de Santo Ildefonso no mesmo ano, justamente quando as tropas hispano-americanas preparavam outra ocupação do Rio Grande do Sul. Porém, nova fronteira foi estabelecida, com a exclusividade castelhana sobre o Prata e a devolução da Ilha.

Se nos volumes 1 e 2, Tau Golin historia os tratados e demarcações de fronteiras aliados ao povoamento, neste livro narra a magnitude da guerra de reconquista do Rio Grande e suas consequências hegemônicas e gentílicas.

Tau Golin narra com linguagem moderna, com documentos e testemunhos do século XVIII, em ritmo contemporâneo e sabor de época.

Texto de contracapa

Este volume trata do período decisivo de guerra entre Portugal e Espanha pelo domínio da América Meridional, abrangendo territórios de soberania contemporânea do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. O historiador Tau Golin focaliza o fenômeno crítico de 1763 a 1778, quando terras atuais do Rio Grande do Sul e da República Oriental do Uruguai e da Argentina ficaram divididas entre as duas coroas. Ocorreram conflitos bélicos expressivos. Em 1776, os hispano-americanos foram vencidos e expulsos pelos luso-brasileiros, resultando na expansão territorial do Brasil sulino.

Foi o maior esforço de guerra empreendido por Portugal na América durante o período colonial. Formou o Exército do Sul e a Esquadra do Sul, com recrutamentos no Brasil, Açores, Europa e África. Percentual significativo de seus contingentes transformou-se em povoadores, contribuindo com a mestiçagem gentílica.

Essa grande mobilização luso-brasileira consumou o processo fundante do Rio Grande do Sul, pelas suas implicações geopolíticas, territoriais e, no principal, antropológicas, em seus aspectos étnicos e culturais.

A vitória do Exército do Sul e a nova fronteira estabelecida pelo Tratado de Santo Ildefonso, de 1777, criaram condições favoráveis à conquista, mais tarde, das Missões (1801).

Introdução: A centralidade da guerra, a barra "diabólica" e a ocupação
luso-brasileira do Continente do Rio Grande de São Pedro

Os Estados-nação e seus povos decorrem de fenômenos fundantes. A inclusão, manutenção e ampliação do território do Rio Grande do Sul, no Brasil meridional, teve sua amarração na vitória luso-brasileira de 1776 sobre as tropas espanholas, como parte de um processo de conflito geopolítico de 1763 a 1778. Esta guerra da reconquista consagrou o esteio dos movimentos espontâneos de penetração, quando da instalação do primeiro enclave de Rio Grande de São Pedro em 1737, enraizou a intrusão no oeste missioneiro entre 1753 e 1757, com a fixação da Fronteira do Rio Pardo, e, por fim, propiciou a base de organização militar e o povoamento para a conquista das Missões e para as consagrações das fronteiras do Chuí, lagoa Mirim, Jaguarão, rios Santa Maria-Ibicuí e rio Uruguai, em 1801.

No longo processo de conquista, ocupação e povoamento, as manobras militares e a geopolítica colonial sulina estiveram sustentadas por grupos humanos de todas as capitanias brasileiras, do arquipélago dos Açores, da África e das regiões europeias de Portugal, que transferiram contingentes bélicos e/ou contribuíram com os gastos de guerra. Misturados com os indígenas, formaram-se nesta amálgama os traços dominantes de um povo regional predominantemente mestiço, uma síntese de involucramento da brasilidade. A guerra constituiu o evento fundante sulino, pois sustentou a territorialidade, fez a transposição de populações das regiões brasileiras, açorianas, africanas e europeias, de cujos pilares flexíveis da mestiçagem se desenvolveu o imaginário identificativo de uma região de destino. A sua mobilização quase permanente foi impulsionada pela sinergia da guerra e da fronteira.

[...]

Sumário

PARTE I
Introdução: A centralidade da guerra, a barra "diabólica" e a ocupação luso-brasileira do Continente do Rio Grande de São Pedro / 15
As terras do Sul e as estratégias da Espanha / 67
O Rio Grande de São Pedro ocupado / 95
Primeiro plano luso-brasileiro para retomar o Continente do Rio Grande de São Pedro / 105
Os fronteiriços incontroláveis e a expedição punitiva de Vértiz y Salcedo / 129
Plano militar português para repelir os castelhanos / 151
As esquadras, os exércitos e o plano de guerra Pombalino / 163
Simultaneidades dos preparativos para a guerra / 179

PARTE II
O tenente-general Boehm e a convergência das tropas para o Sul / 223
O exército real e as tropas de papel nas fronteiras / 275
O recuo castelhano / 289
As forças navais começam a se posicionar no Rio Grande / 295
Abril dos combates navais / 301
A Fronteira do Rio Pardo e as retaguardas de Porto Alegre e Viamão / 323
Diplomacia da paz em território hostilizado / 343
Espanhóis ofensivistas e monarquia ultrajada / 359
Como milicianos, gaudérios e dragões abandidados influenciaram a geopolítica / 365
Concentração de tropas de mar e terra para a reconquista / 373
Os planos de guerra no Continente / 383
Diplomacia, conflitos de comando e ações bélicas em 1776 / 389
Combate naval e de artilharia de terra / 411

PARTE III
A reconquista do Rio Grande de São Pedro / 455
Os surpreendidos castelhanos e a trágica retirada / 493
Ocupação luso-brasileira do Rio Grande de São Pedro / 505
A "teimosia" estratégica do tenente-general João Henrique de Boehm / 519
A Esquadra do Sul, a capitulação de Santa Catarina e a vulnerabilidade do Rio Grande / 577
O Rio Grande de São Pedro e a expedição de Cevallos / 631
A marginalização do comandante da Esquadra do Sul e o armistício / 669
O abandono do Exército do Sul / 691
A retirada do Exército do Sul / 719
O custo do Continente do Rio Grande de São Pedro para o Brasil / 727

CONSIDERAÇÕES FINAIS: Os destinos das guerras e o mito da cavalaria rio-grandense / 737
Referências / 767

ANEXOS
Medidas / 823
Embarcações / 824
Velame / 830
Canhões / 831

 

 

   
   
      


Aceitamos cartões de crédito:


(55) 54-3313-7317
E-mail: sac@meritos.com.br

© Livraria e Editora Méritos Ltda.

Rua do Retiro, 846 - CEP 99074-260
Passo Fundo - RS - Brasil


FRETE GRÁTIS PARA TODO O BRASIL

Tecnologia e proteção de dados:
PAYPAL - eBay Inc.
PAGSEGURO - Universo Online S/A