Voltar ao início do site !Chamar por telefone !Enviar um e-mail !
Acessar o FaceBook da Méritos !

Identidades - Questões sobre as representações socioculturais no gauchismo

Autor: Tau Golin
Págs.: 112
Edição: 1ª
Formato: 12x20 cm
Idioma: Português
Lançamento: 2004

r$ 21,90

 

 

 

 
   

Texto de orelha

A primeira característica dominante de uma identidade “tradicional”-folclórica em uma sociedade moderna é a diluição da noção de tempo histórico. Cria-se o “tempo vago”, ao qual se remete a origem de seus elementos. Ao se instituir como movimento cultural organizado, essa gauchidade se apresenta como se estivesse credenciada a reproduzir valores pretensamente imutáveis forjados pelos antepassados. Melhor dizendo, há uma reelaboração do passado como o lugar de uma sociedade tradicional. Entretanto, historicamente, a sociedade de tipo tradicional nunca existiu no Rio Grande do Sul. Desde a sua origem ocupacional organizada pelo Estado Colonial Absolutista no século XVIII, na região sulina foi implantada uma sociedade de classes de tipo escravista alicerçada na propriedade privada. Desse modo, jamais se configurou uma sociedade historicamente tradicional.

Esta é uma suposição criativa intelectual de legitimação da sociedade oligárquica, em um primeiro momento, e do capitalismo gauchesco de corte latifundiário em sua forma mais acabada.

A sociedade rio-grandense (e sua representação cultural) é conservadora e não tradicional.

 
 

Texto de contracapa

Quando tratarmos da produção cultural sulina de característica “tradicional” há a necessidade de grafar o termo entre aspas. Ele está impregnado do sufixo nominal ismo, pois, no âmbito de um movimento sociocultural doutrinário autorepresenta-se integrado a um corpus que opera na sociedade com a ambição de se converter em expressão gentílica. Portanto, mesmo que diversas expressões não se encontrem organizadas sob os ditames e a vigilância do Movimento Tradicionalista Gaúcho, assim mesmo, seu conteúdo se encontra em uma imanência complementar de composição do “tradicional”(ismo). Trata-se de uma vontade de pertencimento ao gauchismo.

 
 

Início do primeiro capítulo:

O lugar da invenção “tradicional” na modernidade conservadora

Esta reflexão trata de algumas noções que considero importantes no debate sobre o povo sulino, a sua história e a sua arte. Elas estão em uma totalidade articulada pelas categorias sociedades tradicional, moderna, pós-moderna, de espaços, identidades e representações. Nesse particular, coloco em relevo o aspecto dominante da representação rio-grandense reconhecida como cultura de massa, procurando demonstrar o seu processo formativo, sem desconhecer os diversos movimentos subjacentes e marginalizados, e a condição histórica impeditiva de uma harmonização exclusiva da identidade gentílica.

A primeira característica dominante de uma identidade “tradicional”1 -folclórica em uma sociedade moderna é a diluição da noção de tempo histórico. Cria-se o “tempo vago”, ao qual se remete a origem de seus elementos. Ao se instituir como movimento cultural organizado, essa gauchidade se apresenta como se estivesse credenciada a reproduzir valores pretensamente imutáveis forjados pelos antepassados. Melhor dizendo, há uma reelaboração do passado como o lugar de uma sociedade tradicional. Entretanto, historicamente, a sociedade de tipo tradicional nunca existiu no Rio Grande do Sul. Desde a sua origem ocupacional organizada pelo Estado Colonial Absolutista no século XVIII, na região sulina foi implantada uma sociedade de classes de tipo escravista alicerçada na propriedade privada. Desse modo, jamais se configurou uma sociedade historicamente tradicional. Esta é uma suposição criativa intelectual de legitimação da sociedade oligárquica, em um primeiro momento, e do capitalismo gauchesco de corte latifundiário em sua forma mais acabada...

 
 

Sumário

O lugar da invenção “tradicional” na modernidade conservadora / 07
Os festivais de folclore e o príncipe de papel / 29
Quando setembro vier... Ou o vaneirão aporreado no galpão da memória / 41
O etnotradicionalismo / 45
A bombacha como símbolo e aculturação./ 49
O tradicionalista caramuru / 59
A cultura “tradicional” nas ondas do rádio.
Música gauchesca e método de pesquisa / 69
A estética do relacionamento na música gauchesca / 77
Os tambores na avenida / 91

 
 

 

   
   
      


Aceitamos cartões de crédito:


(55) 54-3313-7317
E-mail: sac@meritos.com.br

© Livraria e Editora Méritos Ltda.

Rua do Retiro, 846 - CEP 99074-260
Passo Fundo - RS - Brasil


FRETE GRÁTIS PARA TODO O BRASIL

Tecnologia e proteção de dados:
PAYPAL - eBay Inc.
PAGSEGURO - Universo Online S/A